Casas na margem do rio Zaan em Zaandam,
Pintado por Claude Monet (1840-1926),
Óleo sobre tela,
Pintado em 1871
© Städel Museum, Frankfurt

Casas na margem do rio Zaan em Zaandam,
Pintado por Claude Monet (1840-1926),
Óleo sobre tela,
Pintado em 1871
© Städel Museum, Frankfurt

Evangelho de 16 de setembro de 2023

As enchentes do rio não poderiam abalar a casa

Lucas 6:43-49

Jesus disse a seus discípulos:

"Nenhuma árvore boa dá fruto ruim, nenhuma árvore ruim dá fruto bom. Toda árvore é reconhecida por seus frutos. Ninguém colhe figos de espinheiros, nem uvas de ervas daninhas. O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração.

"Por que vocês me chamam 'Senhor, Senhor' e não fazem o que eu digo?

Todo aquele que vem a mim, ouve as minhas palavras e age de acordo com elas, eu lhe mostrarei como ele é. Ele é como o homem que, ao construir sua casa, cavou, e cavou fundo, e lançou os alicerces sobre a rocha; Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída. Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as pratica é como um homem que construiu uma casa sobre o chão, sem alicerces. No momento em que a torrente deu contra aquela casa, ela caiu, e a sua destruição foi completa".

Reflexão sobre a pintura

Imediatamente após a Guerra Franco-Prussiana, durante a qual Claude Monet buscou exílio em Londres e pintou vários quadros do rio Tâmisa, o artista foi para a Holanda. Monet e sua família ficaram em uma pequena cidade perto de Amsterdã chamada Zaandam. Ele achava que era um lugar idílico. Ele escreveu para seu amigo Camille Pissarro dizendo: 'Aqui em Zaandam, um pintor ficaria ocupado durante toda a sua vida.' Essa pintura contrastaria fortemente com o que ele teria pintado em Paris, que estava em ruínas após a guerra. O cenário alegre de Zaandam contrastava com a tristeza de Paris na época. Os suaves tons de verde e o reflexo das casas nas águas do rio criam uma pintura encantadora. A luz cintilante é capturada por Monet em sua maneira única, transmitindo uma cena alegre e despreocupada.

As casas que vemos retratadas devem ter fundações fortes, pois foram construídas nas margens do rio. Esses alicerces estariam em parte sobre o solo e em parte dentro do próprio leito do rio. Jesus usa a imagem da construção de casas na leitura de hoje e a necessidade de ter alicerces fortes. Será que sentimos que temos alicerces sólidos em nossa fé? Em tempos em que estamos cercados pelo relativismo e pelo secularismo, nossa fé é forte o suficiente para resistir a qualquer tempestade ou crítica, ou desmoronaria facilmente por causa das pressões mundanas ao nosso redor? Construir nossa vida com base nos valores cristãos é o alicerce para o qual Jesus está nos convidando.

Então, como podemos conseguir isso? Jesus dá a resposta em nossa leitura: ouvir, orar e agir. Uma abordagem em três etapas. Em primeiro lugar, é preciso ouvir e, depois de ouvir, podemos orar sobre o assunto. Jesus até nos dá uma breve oração: "Senhor, Senhor". Então, finalmente, há a ação, que Jesus identifica como fazer o que ele nos comunicou em oração.

Compartilhe esta leitura do Evangelho

Você gostou desta leitura do Evangelho e da reflexão da arte?

Participe da discussão sobre esta obra de arte e leitura do Evangelho

Subscribe
Notify of
29 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Rosemary Hart
Membro
Rosemary Hart
9 meses atrás

Sim, é uma bela pintura, mas não consigo deixar de pensar que as casas serão inundadas!

Quanto aos fundamentos firmes da fé, há anos tenho um exemplar antigo de segunda mão do livro "The God Delusion", de Richard Dawkins, em casa. O motivo é que certa vez me deparei com algumas citações do livro que me pareceram evidências extremamente fracas para apoiar o ateísmo de Dawkins, então pensei em um dia descobrir quantas mais existiam. Mas não o li. E se ele fosse tão bom quanto os ateus parecem pensar? E se ele colocasse pequenas e desagradáveis dúvidas ateístas em minha mente? E se???

Then someone gave me another book: Edgar Andrews’ “Who Made God?” (He states in the introduction that if you think this is going to be an atheist book, go and ask for your money back – it’s the opposite.) Over and over again he is soundly critical of Dawkins. So I thought I’d read “The God Delusion” at last. I need not have feared… it is deeply flawed through and through and my faith stands firm!!! :-)

Na verdade, o próximo livro que li foi "Who Moved the Stone", de Morison. *Maravilhoso !!!!!!!* De todos os livros que li sobre religião, "The God Delusion" foi, de longe, o mais fraco e com as falhas mais profundas. E isso não se deve apenas ao fato de eu ter escolhido ser cristão! Se você tentar ser imparcial, as falhas são igualmente aparentes.

Desculpe, isso foge da pintura de Monet, mas é o maior teste recente da força de minha fé.

John Hobbs
Membro
John Hobbs
9 meses atrás

Dizer ao Sr. Monet que ele errou na perspectiva da empena esquerda teria sido uma coisa difícil de fazer. Descobri na semana passada que, por cerca de 20 anos, eu e meus colegas estivemos sentados sob 3.000 m2 desse concreto RAAC supostamente falho, de modo que todos nós tivemos que desocupar os andares superiores. Fico imaginando como a adequação do teto sobre sua cabeça poderia ser uma metáfora da fé?

Jeanne M
Membro
Jeanne M
9 meses atrás

Temos uma exposição de arte em nosso vilarejo neste fim de semana, incrível tanto em qualidade quanto em quantidade. Então, vamos sair bastante. Se precisássemos de uma imagem assustadora do que acontece quando nossas vidas não são construídas sobre "a rocha que sempre permanece", teríamos as imagens trágicas que vêm da Líbia. Este é um cenário completamente diferente.
Zaandam era um centro da indústria de fabricação de madeira e construção naval, portanto, era um lugar movimentado mesmo quando Monet estava lá. Mas ele optou por retratar a paz e a tranquilidade de um rio e suas margens no verão, quando tudo era verde, até mesmo as casas. O verde é a cor predominante até mesmo nas casas modernas de Zaandam. Posso imaginar sua emoção ao ser desafiado por uma variedade tão grande de verdes!
Embora, como já foi dito, as casas estejam um pouco fora da realidade, a impressão geral - no início do movimento impressionista, que é datado, pelos historiadores da arte, de uma pintura de 1872, novamente de Monet - é de luz, paz, beleza e harmonia das casas com seus arredores. Monet é o mestre da luz. Nós temos nosso próprio Mestre, a Luz do Mundo, graças a Deus.
Um fim de semana abençoado e harmonioso para todos vocês.

Leituras relacionadas a Lucas 6:43-49

9 de setembro de 2021

Lucas 6:27-38

Ame seus inimigos

6 de março de 2023

Lucas 6:36-38

Seja compassivo como seu Pai é compassivo

12 de setembro de 2019

Lucas 6: 27-38

Ame seus inimigos

6 de setembro de 2022

Lucas 6:12-19

Jesus saiu para as colinas para rezar e escolher...

Junte-se à nossa comunidade

Além de receber nossa Leitura Diária do Evangelho e Reflexão Artística, sua inscrição gratuita lhe permite ainda: 

A missão da Arte Cristã é oferecer uma leitura diária do Evangelho, acompanhada de uma obra de arte relacionada e de uma breve reflexão. Nosso objetivo é ajudar as pessoas a se aproximarem de Deus através da magnífica união entre a arte e a fé cristã.

CONECTE-SE A NÓS

Junte-se a mais de 70.000 pessoas que recebem diariamente nossa Leitura do Evangelho e Reflexão de Arte

Pular para o conteúdo