Capacete romano,
Romano-britânico, primeiro século
Capacete de cavalaria em bronze, enlatado
© Museu Britânico, Londres

Capacete romano,
Romano-britânico, primeiro século
Capacete de cavalaria em bronze, enlatado
© Museu Britânico, Londres

Evangelho de 18 de setembro de 2023

O centurião disse: "Não sou digno de tê-lo debaixo do meu teto

Lucas 7:1-10

Quando Jesus chegou ao fim de tudo o que ele queria que o povo ouvisse, ele foi para Cafarnaum. Lá, um centurião tinha um servo, um de seus favoritos, que estava doente e perto da morte. Tendo ouvido falar de Jesus, enviou-lhe alguns anciãos judeus para pedir-lhe que viesse e curasse seu servo. Quando chegaram a Jesus, suplicaram-lhe com sinceridade. "Ele merece isto de vocês" disseram eles "porque ele é amigo de nosso povo; de fato, foi ele quem construiu a sinagoga". Então Jesus foi com eles, e não estava muito longe de casa quando o centurião lhe mandou uma mensagem de alguns amigos: 'Senhor', ele disse 'não se preocupe; porque Não sou digno de ter você sob meu teto; e por esta mesma razão eu mesmo não presumi vir até você; mas dê a palavra e deixe meu servo ser curado. Pois eu mesmo estou sob autoridade e tenho soldados sob meu comando; e digo a um só homem: Ide, e ele vai; a outro: Vinde aqui, e ele vem; ao meu servo: Faça isto, e ele o faz". Quando Jesus ouviu estas palavras, ficou espantado com ele e, voltando-se, disse à multidão que o seguia: "Digo-vos, nem mesmo em Israel encontrei fé assim". E quando os mensageiros voltaram para a casa, encontraram o servo em perfeita saúde.

Reflexão sobre o capacete romano do século I

As palavras do centurião na leitura do Evangelho de hoje chegaram à nossa Eucaristia: 'Senhor, não sou digno de que entreis debaixo do meu teto, mas dizei apenas a palavra e minha alma será curada.'. O centurião romano demonstrou uma tremenda humildade e fé. Em primeiro lugar, ele falou como um pagão que não queria que Jesus, o judeu, violasse a lei judaica ao entrar na casa de um pagão. Ele colocou Jesus em primeiro lugar e não queria causar nenhum problema para ele. Em segundo lugar, o centurião também demonstrou uma fé tremenda no poder vivificante da palavra de Jesus: 'Basta dizer a palavra e meu servo será curado'. Uma declaração de fé muito poderosa.

A leitura do evangelho sugere que a fé pode ser encontrada nas pessoas mais improváveis, e nunca devemos questionar quem é uma pessoa de fé e quem não é.

Nosso capacete romano data do século I e pode muito bem ser muito semelhante ao que o centurião teria usado. O capacete protegia a cabeça do usuário com um capacete interno de ferro e um protetor de pescoço. Soldados normais teriam usado um capacete simples, em grande parte sem as laterais de metal. Somente os generais e centuriões teriam peças laterais de metal nas bochechas, em vez das de couro, para dar-lhes proteção extra.

Compartilhe esta leitura do Evangelho

Você gostou desta leitura do Evangelho e da reflexão da arte?

Participe da discussão sobre esta obra de arte e leitura do Evangelho

Subscribe
Notify of
34 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Polly French
Membro
Polly French
10 meses atrás

Nunca sabemos o poder de nossas palavras, sejam elas boas ou ruins! Veja como as palavras do centurião perduraram! Quando estamos procurando voluntários em nossa paróquia, as pessoas geralmente respondem que não se sentem dignas! Elas estão certas, nenhum de nós é, mas Deus nos ama, não importa o que aconteça! Louvemos a Deus e agradeçamos a ele por toda a sua misericórdia para conosco. Amém.

Mark Crain
Membro
Mark Crain
10 meses atrás

Meus pensamentos se voltam para a analogia de Paulo com os soldados romanos em sua carta "Toda a armadura de Deus" aos Efésios: "...o capacete da salvação..."
Ela oferecia uma proteção poderosa. Que a armadura de Deus nos proteja contra os esquemas do diabo.

Pauline Wood
Membro
Pauline Wood
10 meses atrás

Eu só queria dizer o quanto gostei de ver esse capacete dourado incrível antes de ler o relato de Lucas hoje de manhã. Que incrível pedra de toque para aqueles dias e tão brilhante! Dá para imaginar aquele exército marchando em um dia claro, refletindo o sol e brilhando com força?

Hoje, fiquei impressionado com a obediência de Jesus, com o fato de Ele ter concordado em ir com os anciãos judeus, atendendo ao pedido sincero deles, porque reconheceram o centurião como um homem bom, um homem que era "amigável com o nosso povo; na verdade, foi ele quem construiu a sinagoga". Jesus os ouviu, respondeu a essa súplica transcultural (unidade) por graça e foi com eles. Acho que esse é um belo exemplo do amor e da compaixão de Deus, desencadeados pela confiança, esperança e empatia comum entre aqueles que poderiam ser e eram inimigos.

Como aqueles anciãos judeus valorizavam essa amizade. Isso me faz pensar no antissemitismo. As palavras "eles são amigáveis conosco" devem ter sido sussurradas muitas vezes, especialmente durante a Segunda Guerra Mundial. Jesus demonstra aqui que Deus valoriza particularmente as pessoas que são amigas dos judeus e até mesmo aquelas de quem eles cuidam nesse relato do evangelho.

Obrigado a todos por suas maravilhosas observações de hoje. Elas realmente enriquecem meus dias.
E obrigado por todas as orações de intercessão por minha colega paroquiana. Por favor, lembrem-se dela, de sua família e de todos aqueles que estão lutando com sua saúde mental e que acham mais difícil escolher a vida em vez da morte.

Sacratíssimo Coração de Jesus, tende piedade de nós.

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás
Responder a  Pauline Wood

Amém

Andy Bocanegra
Membro
Andy Bocanegra
10 meses atrás

Estou admirado com a humildade do centurião. Ele parece ter sido um verdadeiro líder e realmente se importava com as pessoas ao seu redor. O povo judeu chegou a defendê-lo, dizendo a Jesus como ele era gentil e como construiu a sinagoga para eles. Eu gostaria de acreditar que o centurião acabou se tornando um cristão.

Polly French
Membro
Polly French
10 meses atrás
Responder a  Andy Bocanegra

Infelizmente, a humildade dos líderes de hoje em dia não parece ser um valor digno de se ter! Não é uma qualidade tão atraente também?

Jeanne M
Membro
Jeanne M
10 meses atrás

O Império Romano estabeleceu as bases da Europa como um todo semi-coeso, em vez de um amontoado de tribos em guerra. Foi uma grande conquista que nos deixou monumentos (incluindo seu descendente distante, a UE?) como o Panteão, a Pont du Gard e a Muralha de Adriano; sistemas de concreto, esgoto e água; aquecimento de piso - e este capacete prático, que teria sido produzido em massa, mas à mão, para o exército imperial.... Talvez nosso centurião tenha usado algo muito semelhante.
Adoro essa história, que ancora a vida de Jesus firmemente em seu contexto histórico e político, mas com um viés intercultural realmente pessoal e interessante. Será que o centurião ouviu Jesus falar ou o viu curar? Imagino que os soldados tenham um pensamento baseado em evidências, portanto, ver era crer. Talvez ele fosse um estudioso manqué e conhecesse as escrituras hebraicas, onde o Cristo é predito. E em que idioma eles se comunicavam? - Talvez o centurião tivesse um aramaico básico; e seus amigos, que transmitiram a mensagem, que idioma usaram? - Ninguém jamais mencionou que Jesus falava latim! Há duas dádivas concedidas ao centurião: a cura de seu servo e a imortalidade de suas palavras, incorporadas à Eucaristia. Seu nome está perdido para nós, mas louvamos a Deus por suas palavras e seu exemplo de fé.

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  Jeanne M

Uma expansão muito boa da passagem bíblica, Noelle. Muito obrigado.
Também podemos acrescentar que o Império Romano permitiu que o cristianismo se espalhasse?

Jeanne M
Membro
Jeanne M
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Com certeza, embora tenha quase naufragado em alguns momentos e em alguns lugares.... sempre se manteve firme, por exemplo.

John Hobbs
Membro
John Hobbs
10 meses atrás
Responder a  Jeanne M

O que os romanos já nos deram?

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  John Hobbs

Lol!

Mary Ann Payne
Membro
Mary Ann Payne
10 meses atrás

O Centurião é meu modelo de oração intercessória pelos doentes. Em um gesto altruísta, o centurião pede em favor de outra pessoa e Jesus cura sem nunca ver ou tocar o servo.

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás
Responder a  Mary Ann Payne

Observação excelente e verdadeira, Mary Ann!

Pauline Wood
Membro
Pauline Wood
10 meses atrás
Responder a  Mary Ann Payne

Acho que Jesus também não conheceu o centurião...!

Pauline Wood
Membro
Pauline Wood
10 meses atrás
Responder a  Pauline Wood

Na verdade, no relato de Mateus, Ele o encontra.

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás

Perguntas interessantes, Zeffi, para as quais provavelmente nunca saberemos a resposta.

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  spaceforgrace

Concordo com o SFG. Perguntas interessantes foram levantadas, mas, infelizmente, nenhuma resposta veio à mente. Acredito que uma legião consistia em cerca de seis mil homens. Dividida em coortes e as coortes divididas em séculos. O esplendor que era Roma.
Se você gosta de música, pode tocar Pines of the Appian Way (Pinheiros da Via Ápia) de Ottorino Resphigi. Acredita-se que ela represente um exército romano conquistador retornando a Roma pela Via Ápia.

Jeanne M
Membro
Jeanne M
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Obrigado pela dica, Chazbo.

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Já ouvi essa música ser tocada ao vivo, é uma peça musical inteligente

John Hobbs
Membro
John Hobbs
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Uma peça musical interessante. Na versão que ouvi, o oboísta parecia um encantador de serpentes!

Patricia O'Brien
Membro
Patricia O'Brien
10 meses atrás

Adoro o evangelho de hoje, a reflexão de hoje - e ver o capacete só aumenta a realidade desse evento. Sim, aquele homem era uma pessoa real. Gostaria de saber qual era o nome dele?
De fato, eu diria que esse, juntamente com o cego na piscina, são os dois evangelhos que sustentam minha fé. Ambos têm o toque da verdade absoluta, que está nos pequenos detalhes - como o centurião que entende a autoridade, dizendo a Cristo que ele diz a um homem "Venha aqui, e ele vem", sem mencionar as maravilhosas palavras dele que agora temos o privilégio de pronunciar em nossa missa, pouco antes de recebermos o Santíssimo Sacramento. Graças a Deus.

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  Patricia O'Brien

Sim, Patricia, a história tem um toque de verdade em seus pequenos detalhes. Você vê isso com frequência nos evangelhos, o que dá vida à mensagem de forma vívida. Perdi uma excelente mensagem ontem, pois caí no sono no sofá!

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás

Não posso deixar de ficar impressionado com o Império Romano, embora, é claro, ele tenha sido estabelecido com muita violência. Depois que seu país foi conquistado e os selvagens barbudos pacificados, você teve muita sorte de fazer parte da Pax Romana.
Esse capacete mostra sua tecnologia militar - abas articuladas, proteção bem projetada para o pescoço e até mesmo alguma decoração.
Aprendemos sobre a destruição do Templo e a subjugação dos judeus quando eles se revoltaram no ano 70 d.C. (previsto por Jesus quando ele estava vivo). Foi extraordinariamente violento, envolvendo seis legiões e infinitas cruxifixões.
Oh, que tenhamos a fé do centurião! Ele deve estar agora no céu com Nosso Senhor. Oramos para que o senhor olhe para nós, servo fiel de Roma e seguidor de Jesus.

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Eu discordaria de sua avaliação da ocupação da Grã-Bretanha pelos romanos, Chazbo. Os "selvagens" barbudos a que você se refere eram, em geral, pessoas pacíficas e os romanos não os conquistaram completamente, especialmente no norte e no oeste. A maioria recuou em vez de lutar, e os que permaneceram viveram lado a lado e se reproduziram entre si, formando uma comunidade romano-britânica estável que, segundo as evidências atuais, interagia comercial e culturalmente entre si. Algumas centenas de anos depois, é claro, os romanos haviam desaparecido. A antiga administração romana não conseguiu sobreviver. Essa é uma lição que nunca foi aprendida, mesmo nos dias de hoje.
Acho que o centurião da leitura exemplifica esse aspecto muitas vezes não reconhecido das ocupações romanas. Esse homem tinha um bom relacionamento com seus servos e os tratava bem. Ele é amigável com as pessoas ocupadas e as ajuda a seguir sua própria cultura, até mesmo ajudando-as a construir um local de culto. Ele fala apenas em controlar seus próprios soldados. Ele trata Jesus com cortesia e respeito.
Poderíamos discutir se foram os judeus ou os romanos os responsáveis pela morte de Jesus, mas isso fica para outro dia.
No final, a ocupação romana das terras judaicas também chegou ao fim.
Entretanto, o catolicismo sobreviveu. Sobreviveu mais do que qualquer império desde os romanos e continuará sobrevivendo. Ele oferece muito mais do que o paganismo poderia oferecer. Esse humilde centurião sabia disso e, em todas as missas de hoje, onde quer que sejam celebradas, essas palavras serão repetidas em todo o planeta. Em pequenas reuniões ou em grandes catedrais, essas palavras ecoam ao longo dos milênios. Isso é o que sobreviveu e sou constantemente humilhado por isso.

Patricia O'Brien
Membro
Patricia O'Brien
10 meses atrás
Responder a  spaceforgrace

Bom dia, SFG - Concordo com seu resumo sobre nossa igreja e as palavras do centurião - somos humildes e privilegiados por proferi-las. Além disso, compreendi melhor as comunidades harmoniosas que os romanos estabeleceram na Grã-Bretanha ao visitar Vindolanda, em Northumberland. Realmente revelador.

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás
Responder a  Patricia O'Brien

Não estive lá, mas sei que há um trabalho fascinante em andamento. Isso me faz lembrar de uma citação: "Se você quer se dar bem com seu vizinho, construa uma cerca!

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  spaceforgrace

Bem, eu fico com os barbudos porque foram os romanos que tiveram a ideia de fazer a barba e tinham a tecnologia para criar as lâminas muito afiadas necessárias! Acho que o Sr. Gillette pode ser descendente de um barbeiro franco-romano!!! Lol :)

spaceforgrace
Membro
spaceforgrace
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Poderíamos ter uma discussão sobre barbas, Chazbo! É claro que a tradição mostra que Jesus tinha barba, embora uma imagem antiga Dele mostre que Ele não tinha barba. Onde foi encontrada essa imagem? Em Roma... Não sei se os romanos também inventaram a barba, mas vou me afastar um pouco.

Jeanne M
Membro
Jeanne M
10 meses atrás
Responder a  spaceforgrace

De acordo com o Professor Google, o barbear adequado, ao contrário de arrancar os pelos, começou há cerca de 60.000 anos, usando pedras de obsidiana afiadas e conchas de moluscos. Os egípcios eram grandes fãs dessa prática ..... como chegamos a isso? Ah, sim, os bárbaros barbudos!

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  Jeanne M

Sim, Noelle. Eu arrisquei dizer que a barba foi uma invenção romana, mas acredito que eles a levaram a novos níveis. Ser barbudo era muito rude na sociedade romana educada. É uma coincidência que a barba pareça estar voltando com força hoje em dia?

Jeanne M
Membro
Jeanne M
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Mmm, pensamento interessante. Prefiro ter a barba feita, caso contrário, fico imaginando o que estará se escondendo na vegetação rasteira...

Chazbo M
Membro
Chazbo M
10 meses atrás
Responder a  spaceforgrace

Seu último parágrafo, SFG, é muito poético e inspirador. O cristianismo sobreviveu porque fala ao coração das pessoas. Os jovens falam de "apropriação cultural" hoje em dia, mas o cristianismo é o maior exemplo de "apropriação cultural" da história. Uma crença que começou em um lugar remoto do Império Romano foi adotada por centenas de culturas diferentes em todo o mundo.

Andy Bocanegra
Membro
Andy Bocanegra
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Como já mencionei antes. Sou grato pela colonização europeia do Novo Mundo porque eles trouxeram o cristianismo com eles, especificamente o cristianismo católico.

Jeanne M
Membro
Jeanne M
10 meses atrás
Responder a  Chazbo M

Eu adoraria conhecê-lo...

Leituras relacionadas a Lucas 7:1-10

19 de setembro de 2019

Lucas 7: 36-50

Ela tinha trazido com ela um frasco de alabastro de oi...

16 de dezembro de 2020

Lucas 7:19-23

Você é aquele que está por vir?

16 de setembro de 2019

Lucas 7: 1-10

O Centurião e seu Servo

18 de setembro de 2019

Lucas 7:31-35

Eles são como crianças gritando

Junte-se à nossa comunidade

Além de receber nossa Leitura Diária do Evangelho e Reflexão Artística, sua inscrição gratuita lhe permite ainda: 

A missão da Arte Cristã é oferecer uma leitura diária do Evangelho, acompanhada de uma obra de arte relacionada e de uma breve reflexão. Nosso objetivo é ajudar as pessoas a se aproximarem de Deus através da magnífica união entre a arte e a fé cristã.

CONECTE-SE A NÓS

Junte-se a mais de 70.000 pessoas que recebem diariamente nossa Leitura do Evangelho e Reflexão de Arte

Pular para o conteúdo